9 de nov de 2007

Dia Internacional da Filosofia- 15-11-07

Cada terceira 5ª feira do mês de Novembro comemora-se o Dia Internacional da Filosofia, proclamado pela UNESCO em 21 de Novembro de 2002.

O que é a filosofia? Para que serve? Qual a sua importância?

Neste momento do nosso percurso depois de muitos textos lidos, e de horas de trabalho a reflectir sobre estas questões, desde logo se consciencializou que ao alcance do nosso olhar estariam sempre mais dúvidas que efémeras "certezas"...

Em vez de se constituir como uma sabedoria estabelecida (como talvez pretendam ainda outras áreas do conhecimento) a filosofia vale mais como exercício livre do pensar/da razão que questiona, do que pela apresentação de um saber feito/dogmático...

A prática da filosofia, em boa parte, é "o simples" olhar atento/crítico sobre todas as coisas para que elas não nos sejam estranhas/incómodas e assim, face ao mundo, aos outros, às nossas paixões e vícios, nos possamos libertar e viver uma vida mais autêntica... «Uma luta do bom senso contra o senso comum»(António Sérgio)

Comemorar a filosofia é comemorar a possibilidade de conquista da liberdade... É acreditar que é possível cortar com o que nos impede de sermos senhores de nós mesmos e, assim, construtores do nosso próprio destino...

(Clicar aqui para ver um powerpoint e reflectir)

Nenhum comentário:

Biblioteca do Blog

Como Estudar

Ver vídeo aqui

Lições de Ética

ver vídeo aqui e aqui

Autismo

Ver vídeo (foolish Wise ones) aqui e aqui

Léxico de Psi.

Emotional intelligence Type of intelligence defined as the abilities to perceive, appraise, and express emotions accurately and appropriately, to use emotions to facilitate thinking, to understand and analyze emotions, to use emotional knowledge effectively, and to regulate one's emotions to promote both emotional and intellectual growth.

Glossário de Psicologia Clicar aqui

Conceito de Mãe: Apesar de algumas competências exigidas a uma “mãe”, para criar e/ou educar uma criança, se relacionarem com a vertente biológica, a maior parte delas são desenvolvidas por aprendizagem social. Assim, quando falamos em “mãe”, não estamos propriamente a referir-nos à mulher que dá à luz, mas sim a um adulto significativo possuidor das competências necessárias para cuidar de um bebé e que, dispondo de tempo para dedicar à criança, se mostra capaz de lhe proporcionar experiências positivas, estimulantes, e de lhe dispensar a atenção e o afecto necessários, de forma a possibilitar o desenvolvimento das suas potencialidades.

J. S., n.º14, 12º ano CAD