9 de jul de 2012

Informação sobre exames

Aos alunos do colégio que pretendam realizar revisão de provas ou simplesmente obter opinião dos resultados da mesma podem, após terem as respetivas cópia, pedir pelo mail deste blog ajuda ao V. professor nesse sentido. A disponibilidade, como sempre, é total.

Notas de Exame

Já saíram as notas de exame e os resultados dão que pensar. Na disciplina de Filosofia, cujo exame já não se realizava desde 2007, a média nacional foi de 8,9 valores, com uma taxa de reprovações de 12%. tal não é muito de admirar. Primeiro parece pouco adequado introduzir a meio do processo exame nacional, ou seja, os alunos e professores deveriam saber desde o 10º ano que no final do 11º teriam referida prova... Isso possibilitaria trabalho de preparação bastante diferente. A prova em si não aparentava dificuldade mas o detalhe de alguns critérios, escolha de conteúdos, não favoreceram os alunos (não têm de favorecer, mas nunca devem prejudicar). Como explicar a diferença de resultados do teste intermédio para o exame? Como explicar que alunos em matérias semelhantes obtiveram resultados díspares. Como conciliar um modelo laxista de ensino (do governo anterior) para outro que abruptamente altera paradigmas de exigência e avaliação. Alunos e professores continuam a ser cobaias de quem aparenta não saber o que se quer.

Biblioteca do Blog

Como Estudar

Ver vídeo aqui

Lições de Ética

ver vídeo aqui e aqui

Autismo

Ver vídeo (foolish Wise ones) aqui e aqui

Léxico de Psi.

Emotional intelligence Type of intelligence defined as the abilities to perceive, appraise, and express emotions accurately and appropriately, to use emotions to facilitate thinking, to understand and analyze emotions, to use emotional knowledge effectively, and to regulate one's emotions to promote both emotional and intellectual growth.

Glossário de Psicologia Clicar aqui

Conceito de Mãe: Apesar de algumas competências exigidas a uma “mãe”, para criar e/ou educar uma criança, se relacionarem com a vertente biológica, a maior parte delas são desenvolvidas por aprendizagem social. Assim, quando falamos em “mãe”, não estamos propriamente a referir-nos à mulher que dá à luz, mas sim a um adulto significativo possuidor das competências necessárias para cuidar de um bebé e que, dispondo de tempo para dedicar à criança, se mostra capaz de lhe proporcionar experiências positivas, estimulantes, e de lhe dispensar a atenção e o afecto necessários, de forma a possibilitar o desenvolvimento das suas potencialidades.

J. S., n.º14, 12º ano CAD